No mercado imobiliário, o investimento em construções sustentáveis está cada vez mais frequente, já que esses imóveis representam maneiras eficientes de reduzir os impactos ambientais causados por empreendimentos e, ainda por cima, economizar gastos.

Os imóveis sustentáveis  — também chamados de ‘green buildings’ — são aqueles que estão em consonância com o meio ambiente. Assim, o impacto que geram na natureza é reduzido e os danos são minimizados. Esses empreendimentos usam tecnologias modernas para encontrar soluções eficazes.

As medidas vão desde a captação e o reaproveitamento da água da chuva, passando pelas técnicas escolhidas durante a construção e pelos materiais, até chegar à própria arquitetura da planta funcional da residência. Portanto, a fim de fazer você compreender como os imóveis sustentáveis funcionam, confira o conteúdo que preparamos a seguir!

Tendência no mercado imobiliário

Os primeiros imóveis sustentáveis surgiram ainda nos anos 90, mas só agora estão experimentando um sucesso realmente explosivo. O volume de construções do gênero cresce a cada ano. Neste tipo de imóvel, os retornos podem chegar até 10 vezes mais do que o investimento inicial, o que justifica sua popularização.

Assim como tem acontecido em muitos outros países, as empresas que funcionam dentro dos padrões atuais de sustentabilidade estão ganhando mais notoriedade. Diante disso, as próprias construtoras já perceberam uma oportunidade única no nicho, podendo atender a um público exigente e consciente, inclusive no mercado de luxo.

Impacto na valorização do imóvel

Não podemos deixar de citar ainda a grande economia que as construções sustentáveis proporcionam. Por utilizarem os recursos naturais conscientemente, o consumo de matéria-prima durante o projeto e, posteriormente, os gastos com energia e manutenção são reduzidos de maneira considerável. Além disso, há uma grande valorização do imóvel, o que o torna bastante atraente para o mercado.

Essa valorização pode ser de até 30%; índice este que pode ser acompanhado em plataformas digitais, onde existem funções como valor de venda da propriedade. Para os moradores que apostam nesse segmento, as recompensas costumam aparecer em médio e longo prazo, enquanto se economiza nas contas de luz, de água e de gás que podem diminuir bastante em comparação ao preço original.

Preservação do meio ambiente

Infelizmente o setor de engenharia civil, devido ao consumo excessivo de materiais, água e energia, impacta negativamente no meio ambiente. Por isso muitas construtoras vêm apostando constantemente no conhecimento e apresentação de soluções eficazes para enfrentar os principais problemas ambientais, aderindo à tendência da construção eco sustentável.

Durante as etapas dos projetos, são analisados o ciclo de vida do empreendimento e a aplicação dos materiais recicláveis — madeiras reflorestadas e adubo, por exemplo — que serão usados.

Os estágios de análise consistem no planejamento integrado da obra, na gestão e economia de água, aproveitamento dos recursos naturais (ventilação e iluminação natural), gestão dos resíduos na edificação, qualidade e durabilidade do processo construtivo etc.

E as medidas para a conservação da natureza e minimização dos impactos negativos causados a ela abrangem várias questões, como a reutilização das águas pluviais e águas provenientes de máquinas de lavar, tanques, chuveiros e pias, por exemplo. Ao mesmo tempo em que conseguem um abatimento das despesas com moradia, também contribuem para a preservação do meio ambiente.

Certificações obrigatórias

Como praticamente tudo que envolve o mercado imobiliário, as construções sustentáveis devem possuir alguma certificação que indique aos compradores que tais empreendimentos estão, de fato, dentro dos padrões de sustentabilidade.

Os selos obrigatórios consistem no LEED — Leadership in Energy and Environmental Design —, cujos valores de execução sustentável, energia e atmosfera, consumo inteligente e eficiente de água, materiais e recursos e qualidade interna do ambiente devem ser seguidos rigorosamente, e a AQUA — Alta Qualidade Ambiental — da Fundação Vanzolini, voltado para os padrões de eficiência energética e níveis de impacto ambiental.

Existem ainda os selos da Procel Edifica, da Eletrobrás, sobre conforto ambiental e o selo CEPE — Conselho Europeu das Indústrias de Pintura —, que mostram que o projeto “ser sustentável” não é uma tendência passageira. Portanto, para garantir a regularização do projeto, é imprescindível a toda construção sustentável qualquer uma dessas certificações.

Gostou deste artigo? Então, caso queira conhecer mais sobre o assunto, não deixe de conferir os nossos novos empreendimentos sustentáveis!

 

Deixe uma resposta

Fechar Menu